sábado, 19 de junho de 2010

O Lobo e a Separação....


OS superficiais, os simples, que apreciam sumaria­mente o amor, julgando-o uma relação social grosseira como todas as outras, crêem que o momento mais opor­tuno para a ruptura entre amantes é depois de uma zanga, uma crise, uma descarga de ciúmes, uma traição. Ingé­nuos! Essa é a ocasião mais inadequada para o abandono.O sofrimento e a cólera, não repelem, atraem: têm força coesiva, e não desagregadora; a separação definitiva, sem probabilidades de reencontro, só se pode levar a cabo num período de serenidade, quando não há no horizonte a menor sombra de traição, quando se pode olhar na alma um do outro como numa água clarificada, em que nenhum abalo faça subir do fundo velhas escórias de recordações turvas ou de sentimentos impuros.

6 comentários:

Eduarda disse...

Até és capaz de ter razão Lobo.
Boa noite.

Catarina A Grande disse...

A palavra "zanga" automaticamente nos remete à idéia de desgaste na relação entre duas pessoas, sejam elas parentes, amigos, colegas de trabalho ou parceiros. Muito pelo contrário. As discussões podem até ser um bom sinal e contribuir para o amadurecimento da relação

EsteOlhar disse...

É possível ser civilizado e terminar um amor sem mentira, sem baixeza? Pode haver ética no fim de um relacionamento amoroso?
Não sei..

Mirian Martin disse...

É... às vezes o fundo do poço de uma relação seja justamente o "nada".Nada resta, nada sente, nada motiva para coisa alguma. Nada fica - nem mesmo sentimentos ruins. Somente o imenso nada.

Estrela disse...

Sabe,concordo contigo quando dizes que o melhor momento para uma separação é um período de serenidade. Mas,aproveitando esse momento para falar ao cônjugue sobre separação,não despertará nova ira?
Bjs!

O LOBO de....POTT disse...

Penso que não se as circunstâncias forem as que mencionei.