quinta-feira, 16 de setembro de 2010

O LOBO a LOUCURA. o SONO a MORTE e o AMOR


O SONO, a loucura, não dão ideia da morte. O amor, sim. O estremecimento de todos os nervos, a aceleração do ritmo cardíaco, o esquecimento da consciência, não são mais que uma rápida agonia. No momento em que a gente se projecta para fora de si mesmo morre-se um pouco; faz-se uma excursão momentânea à morte, que parece mais bela porque se morre a dois voltando-se à vida

8 comentários:

APIANISTA disse...

Mas que bela imagem escrita com que nos brindas.
Um beijo Lobo

Lou Albergaria disse...

Quando o amor é correspondido, né? Pois quando o amor é singular a morte nos leva para o fundo do poço ou do abismo de nós mesmos...

Boa noite, Lobo!!!

Beijo!

Chapeuzinho Bar disse...

Olá Lobo.
Amor e loucura juntos na eternidade.
Bjs.

Bloguinho da Zizi disse...

Uau, muito lindo...
E a romântica sou eu???
Sim senhor!!!
Que bom que voltamos da morte a cada ato de amor, assim dá tempo de praticá-lo um pouco mais, e talvez com mais loucura, até que ela nos pegue definitivamente.
Beijinho Lobo

EsteOlhar disse...

Mas meu amor
Meu doce, meu meigo e maravilhoso amor
Do raiar do sol até o fim do dia
Não deixei de amar você, te amo


Brell

Josejina disse...

Com esse poema o teu texto completa-se..

clarinha florida disse...

Mas com este poema e o teu texto,fico arrasada.............

Mirian Martin disse...

Texto perfeito com o complemento da Lou. ;)

Beijocas