quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

a Filosofia do Lobo - e o Ciúme


SUCEDE-NOS algumas vezes encontrar aquela que foi nossa amante por uma hora ou por um mês sem quase nos lembrarmos de haver ela participado connosco da solene cerimónia, a importantíssima cerimónia que devia automaticamente irromper em nossa memória. Aquele acto foi, então, de tão pouca importância? Em nós nada ficou, da sua carne, da sua electricidade, da sua respiração ofegante?! Nada! Apenas realizado aquele acto, recomeçamos a conversar, enquanto ela recompunha a «toilette» desfeita, sobre coisas estranhas e indiferentes. Aquela função não deixara portanto em nós um sabor mais forte que o deixado na boca por um cigarro, depois de o largarmos no cinzeiro. No entanto, se viéssemos a saber que a nossa amante em exercício, a amante de hoje, pertenceu, embora por cinco minutos, a outro homem, experimentaríamos, mesmo anos depois, uma dor intolerável. O acto a que ela se submetesse com outro afigurar-se-nos-ia uma contaminação indelével: como se o seu sangue se tornasse impuro, a sua carne adulterada irreparavelmente por aquele acto, por aquele mesmo acto de que quase não nos lembramos de haver praticado com a mulher que passa por nós, naquela rua.
O ciúme é uma febre que se origina em tola, infundada excitação do nosso cérebro irreflexivo. É um fenómeno de auto-sugestão.
A tua amante deitou-se numa cama em companhia de Ipsilon. Odeias Ipsilon e odeias a tua amante; tens sempre diante dos olhos a imagem da mulher e de ípsilon enlaçados, na prática do acto que é teu tormento imaginar.
Entretanto também tu, uma vez, enganaste a tua amante, para fazer, no leito da Sr.ª Z, o que ípsilon fez no leito da tua amante.
Pois bem, que ficou dessa Sr.ª Z, na tua pele, e na tua alma? Nada. Nada mais do que as carícias de Ipsilon podem ter deixado na pele da tua mulher.
Fenómeno auto-sugestivo, portanto. Queres uma prova? Se não vires aquele indivíduo, a tua imaginação o representará odioso, repugnante, repulsivo, e sentes que, se o encontrasses, o matarias.
Mas, se tiveres ocasião de lhe ver a fotografia, começarás a compreender que o podes olhar sem horror.
Se to apresentassem pessoalmente, acredita-me, ir-lhe-ias ao encontro com um cordial sorriso nos lábios, olhá-lo-ias de face sem estremecer, e se houvesses chegado ao meu grau de perfeição, serias também capaz de dar-lhe na barriga uma pancadinha jovial, dizendo-lhe: «É um belo rapaz! »
Com o raciocínio, com a educação, conseguiremos, em não remoto porvir, fazer os homens compreenderem o ilogismo dos ciúmes. Virá o dia em que as nossas graciosas crianças estarão preparadas para ser traídas e não sofrerão com isso, porque lhes aplicamos injecções de bom senso, vacinas anticornígenas.

O CIÚME é um fenómeno físico, glandular.

16 comentários:

continuando assim... disse...

é uma m* ... Lobo, o ciúme ...e estraga tudo , e não o podemos deixar de sentir ...porque quem ama possui!!!! raios!!

bj
tenho saudades
de enciumar :)

teresa

Estrela disse...

Olá LOBO!
Ultimamente tenho sido mordida pelo "bicho" ciúme. Devo confessar
que, entre outras coisas, isso tem me consumido. E o que é pior nisso tudo é que, como vc descreveu, nem por cinco minutos ele foi meu!
Mas vai passar, tem que ter fim!
Abraços...

A Incognita disse...

Pois é querido Lobo,tu tens razão, mas o diabo do ciúme rói-nos a alma.
Que fazer??????????????

Nordestina disse...

Se estiver sofrendo de ciúme, simplesmente observe como esse sentimento brota em você — como ele o arrebata, envolve você, nubla a sua visão, tenta manipulá-lo. Como ele o arrasta por caminhos que você nunca quis seguir, como acaba gerando uma enorme frustração, destrói a sua energia, dissipa a sua energia e deixa você deprimido, frustrado.

Maria Antonieta disse...

Este sentimento que normalmente se diz ser sentido por todos aqueles que amam, pode facilmente tornar-se numa doença, já que a linha que separa a realidade da imaginação pode ser, por vezes, muito ténue.

Teresa disse...

O Ciúme é muitas vezes considerado um sentimento positivo, um sinal de amor… mas, cuidado! Pode também ser um sintoma doentio. Saber distinguir o nível de ciúme de alguém é algo complexo e a maior parte das pessoas diz nem o sentir.

Eduarda disse...

Todos nós cultivamos certo grau de ciúme. Afinal, quem ama cuida. Mas, como este desvelo pode variar na interpretação de uma pessoa para a outra, de forma análoga, o ciúme também o variará. Portanto, desenvolve-se quando sentimos que nosso parceiro não está tão estreitamente conectado conosco como gostaríamos. Dessa forma, o ciúme surge quando um relacionamento diádico valorizado é ameaçado devido á interferência de um rival e pode envolver sentimentos como medo, suspeição, desconfiança, angústia, ansiedade, raiva, rejeição, indignação, constrangimento e solidão, dentre outras, dependendo de cada pessoa . Assim,é possível se ter ciúme até mesmo em relacionamentos platônicos, em que se há um amor unilateral não correspondido.

MARIAN disse...

Algumas vezes, sem que possamos perceber, cresce no nosso interior, a partir de um ressentimento ou de uma suposta rivalidade, o sentimento de ciúme. Isto oprime a harmonia e a saúde de nossos relacionamentos.

O ciúme é um sentimento que nos faz sentir incomodados com certas situações que anteriormente eram insignificantes, como, por exemplo, a atenção de um namorado para com a namorada, a beleza de uma amizade, o cuidado de um pai para com um filho, o sucesso profissional de um colega ou o reconhecimento de suas habilidades em determinada função, etc.

Maria Ribeiro disse...

"LOBO": ciúme, sentimento perigoso que pode destruir a nossa auto- estima. já senti... fui burra...não valia a pena...
Ciúme doentio, é isso mesmo, doença!acima de tudo ... a minha convicção do que valho!
BEijitos de lusibero

AnaMar (pseudónimo) disse...

O ciume pode ser sinal de amor/paixão/interesse ou pode ser sinal de posse e insegurança.

Depende das pessoas e das circunstâncias do relacionamento.

Se por um lado, quem ama, não partilha (acho que a maioria dos mortais:-( por outro há amores que de tão sublimes, encerram uma confiança tal no sentimento e um no outro, em que tudo é possível, até a partilha, não deixando de haver amor.

APIANISTA disse...

Se combatermos sentimentos e pensamentos irracionais, provavelmente controlaremos o ciúme. Fazer piada também ajuda e muito. As namoradas imaginárias do meu marido, por exemplo, são uma ruiva natural, uma negra e uma japonesa. Lindas, carinhosas e inteligentes. Ele presenteia-as com programas nos melhores motéis, dá diamantes. Enquanto fantasio, ele está no trabalho ,equilibrando-se entre os prazos. Rimo-nos.
Foi a maneira que encontramos para lidar com o que de pior pode haver numa relação.

Chapeuzinho Bar disse...

Tenhamos em mente que não podemos impedir que outros se interessem pelo nosso parceiro ou que ele se interesse por outrem. Tentemos exercer a confiança no parceiro e respirar fundo. Quanto mais cedo percebermos que o universo não orbita em torno das nossas vontades, mais rapidamente relaxaremos. E o tempo que perdiamos dando murros em ponta de faca pode ser utilizado para coisas bem mais úteis como… Realmente nutrir um bom relacionamento!

NOKITAS disse...

A aventura passageira realmente não deixa vestigios.
Tens toda a razão.

Beijo

NOKITAS disse...

Quero dizer,não deixa marcas...

clarinha florida disse...

O ciúme é uma emoção humana extremamente comum e por vezes é difícil traçar uma divisão entre ciúme normal e patológico. Normalmente manifesta-se através de um conjunto de emoções desencadeadas por sentimentos de alguma ameaça à estabilidade mas que termina com o esclarecimento da situação, por vezes bastando para tal uma conversa a dois. Os elementos que levaram a esse sentimento podem ser uma reacção face a uma ameaça percebida, a existência de um rival real ou imaginário ou a possibilidade de perda do objecto amado.

Doroni Hilgenberg disse...

Sr.Lobo...

Será que um dia estaremos preparados para lidar com o ciumes?
Sei não...acho que depende de diversos fatores mas principalmente do modo de ver e sentir de cada qual.
Bjs